Cidades

Cidades piloto

Estas cidades foram selecionadas para participem no THERMOS devido à sua experiência no planeamento de redes de aquecimento urbano. Utilizaremos o seu vasto conhecimento nos desafios enfrentados pelos responsáveis do planeamento de redes térmicas, para desenvolver softwar que reflita essas experiências no mundo real. O seu estudo detalhado, vai ajudar a entender qual será a melhor prática - e como pode determinada experiência, ser replicada noutras cidades. Em baixo, pode encontrar mais informações sobre cada uma das cidades - e a qual cidade replicante, estão estas associadas.

 

Cidade pilotoCidade replicante    Apoiado por
Granollers, Espanha
Cascais, Portugal       CREARA, AAU, ICLEI
Islington, Reino Unido
Londres (GLA), Reino UnidoCSE, AAU, ICLEI
Jelgava, Letónia
Alba Iulia, Roménia       CSE, AAU, ICLEI
Varsóvia, Polónia
Berlim (dena), AlemanhaKAPE, AAU, ICLEI

Granollers, Espanha

Granollers é a capital da região do Vallès Oriental situada na Catalunha, cerca de 28 km a norte de Barcelona. Tem mais de 60 000 habitantes e abrange uma área de quase 15 km2. 

Cerca de 47% do consumo de energia em Granollers é utilizado pela indústria, a maioria concentrada em sete parques industriais com mais de 600 atividades diferentes. Um organismo público específico, a Granollers Mercat, promove os parques industriais e garante o acesso ao gás natural e à eletricidade para empresas com quem trabalham. Vários sistemas de cogeração de calor e eletricidade estão operacionais em Granollers. O Benckiser-Field Hospital de Granollers e os Products Alimenticios Gallo SA produzem eletricidade a partir de gás natural. 

Existem três grandes sistemas de aquecimento e refrigeração urbanos em regiões próximas de Granollers, nomeadamente Districlima e Ecoenergies a norte e a sul de Barcelona respectivamente, e TUB Verd em Mataró. Estes sistemas não foram desenvolvidos exclusivamente para o setor industrial. O projeto EcoCongost, em contrapartida, visa criar uma única zona industrial que diminui os custos de energia das indústrias de Granollers, através da partilha da cogeração eficiente e aquecimento urbano numa área de procura concentrada para o aquecimento. A EcoCongost também tem como objetivo reduzir as emissões de carbono do parque industrial com a introdução de novas fontes de energia renováveis, através de redes de aquecimento urbano.

Intervenção do THERMOS em Granollers:

Em Granollers, o THERMOS vai investigar várias opções de design de redes de aquecimento e vai desenvolver cenários de modelação a partir destas. Isto permite abordar os seguintes tópicos:

  • Redes de energia térmica que distribuem vapor e água quente
  • Redes que utilizam fontes de energia, como o biogás
  • Recuperar e utilizar o excesso de calor produzido pelos parceiros da indústria
  • Diferentes tipos de consumidores de energia, incluindo indústrias com diferentes variações de temperatura, edifícios comerciais, centros desportivos, etc
  • Armazenamento para recuperação de calor
  • Planeamento e extensão da rede, incluindo a procura e produção atual e cenários futuros

Página inicial da administração da cidade: granollers.cat
Departamento de energia e poluição: granollers.cat/medi-ambient

A photograph of the central square in Granollers, a large town close to Barcelona.

Islington, Reino Unido

Islington é um dos 32 bairros de Londres, tem 215 000 habitantes e abrange uma área de quase 15 km². Islington tem trabalhado no desenvolvimento de redes de aquecimento desde 2000, sendo que a primeira foi lançada em Bunhill, em 2012. O mapeamento, a identificação e a viabilidade de redes de aquecimento foram fundamentais para progredir na sua construção. Islington atua como empresa de energia municipal, e tem como prioridade fundamental fornecer aquecimento aos seus habitantes. O objetivo passa por garantir um aquecimento mais barato e sustentável para os residentes mais vulneráveis.

Islington realizou várias tentativas de mapeamento no bairro, de modo a identificar os melhores locais para instalação de novas redes. Este trabalho permitiu notificar a primeira estratégia energética descentralizada, publicada em 2010, e o Plano Diretor de Aquecimento Urbano em 2014. A rede Bunhill Heat and Power, é a primeira a servir 900 unidades residenciais privadas, dois centros de lazer, e uma série de propriedades comerciais de menor dimensão. Esta primeira fase, consiste atualmente, num Centro de Energia com um motor combinado de calor e energia (CHP) de 1.9MWe com loja térmica de 115m³ e 1.5km de canalização de aquecimento urbano. Numa segunda fase, o Bunhill 2, inclui um segundo centro de energia com motores CHP de gás, combinados com uma bomba de calor que permite extrair o calor residual de baixa qualidade do Metro de Londres. Isto permitiu fazer a ligação a mais 500 casas e uma nova escola, com potencial para fornecer mais 1.000 moradias. Este projeto é um dos demonstradores do projeto CELSIUS suportados pelo FP7.

Intervenção do THERMOS em Islington:

Para além da expansão contínua do Bunhill, estão a ser desenvolvidos planos para seis novas redes de aquecimento na cidade. Islington desenvolveu o seu próprio modelo EnergyPro para modelar as cargas da rede de aquecimento ao detalhe. O THERMOS é visto como uma oportunidade de partilhar a sua própria experiência de modelação, bem como beneficiar do acesso a novos mapas e ferramentas de planeamento. As ferramentas-piloto THERMOS estão a ser aplicadas em vários estudos de viabilidade, em áreas identificadas como tendo um maior potencial para instalação de novas redes

Página inicial da administração da cidade: www.islington.gov.uk
Equipa dos serviços de energia: www.islington.gov.uk/environment/energy-services

A photograph of some large terraced houses in Islington, north London.

Jegalva, Letónia

Jegalva é uma cidade situada no centro da Letónia. Abrange uma área de 60 km2 e tem cerca de 62 800 habitantes. É também a maior cidade da região de Zemgale. Jelgava possui um sistema de aquecimento urbano bem desenvolvido, que fornece cerca de 85% do consumo total de calor da cidade. Partes da rede remontam à década de 1950. Desde 2008, o sistema foi operado pela Fortum, uma empresa de energia finlandesa, e dividido em duas entidades legais: Fortum Latvia, que produz energia térmica e elétrica; e Fortum Jelgava, que é respnsável pela gestão das redes e pelo atendimento ao cliente.

A Estratégia de Desenvolvimento de Jelgava visa desenvolver as redes de aquecimento e concentra-se em garantir alta eficiência energética, segurança e redução das emissões de carbono. A estratégia inclui a introdução de tecnologias modernas para a produção de calor, a otimização do sistema de aquecimento urbano em distritos na margem direita do rio Lielupe, e a renovação planeada de redes de distribuição anteriores.

Intervenção do THERMOS em Jegalva:

Como cidade piloto no projeto THERMOS, Jelgava vai facultar o mapeamento e modelação das procuras atuais de energia e redes da cidade, com vista a rever e testar opções de expansão, atualização e novos desenvolvimentos que vão contribuir para a futura estratégia e elaboração de políticas.

Página inicial da administração da cidade: www.jelgava.lv
An aerial photograph of Jelgava in Latvia.

Varsóvia, Polónia

Com cerca de 1 750 000 habitantes, a capital da Polónia abrange uma área de 520 km2. Varsóvia tem um grande sistema de aquecimento urbano estabelecido há muito tempo. Iniciado em 1958, a rede (a maior do país) cobre 20 500ha (mais da metade da área urbanizada da cidade) e inclui 1 700km de canalização de distribuição. Fornece 90% da capacidade de aquecimento da cidade através das suas 15 790 subestações.

A rede central é alimentada pela infraestrutura de cogeração Siekierki. E a segunda maior da Europa, fornecendo até 2 078 MW de calor e 622 MW de eletricidade, atendendo a 65% das necessidades de energia da cidade. É propriedade da PGNiG TERMIKA, em que a rede de distribuição de calor é operacionalizada pela Veolia Energia Warszawa SA. O calor é distribuído principalmente para blocos residenciais, mas também para o edifício do parlamento da Polónia, o palácio presidencial, vários centros industriais e várias instalações culturais e desportivas.

Intervenção do THERMOS em Varsóvia:

A rede de aquecimento de Varsóvia é relativamente antiga, tendo sido alvo de elevadas taxas de mau funcionamento até início dos anos 90, devido à introdução de novas tecnologias. Hoje, um programa de remodelação continua a substituir gradualmente partes antigas da rede por novos componentes feitos de materiais pré-isolados. O planeamento encontra-se em desenvolvimento para uma rede de aquecimento inteligente, de modo a melhorar os tempos de execução e a reação do sistema.

Como cidade piloto, Varsóvia está a trabalhar na especificação dos seus requisitos para a expansão e atualização da rede, testando o software THERMOS para ajudar na otimização dos planos de investimento.

Página inicial da administração da cidade: www.um.warszawa.pl/en

An image of a mermaid statue in the old town of Warsaw.